Conseqüências do Abuso Sexual

Por em 6 abr, 2010 em Psicologia | 0 comentários

As conseqüências do abuso sexual são delicadas, e ainda mais delicadas, quando o abuso é praticado por um membro da família, por quem deveria proteger a criança ou o adolescente.  As vítimas crianças ou adolescentes devem ser levadas a um psicólogo assim que seus responsáveis tomam conhecimento dos fatos ocorridos. Há conseqüências do ponto de vista: psicológico (traumas), físico (doenças sexualmente transmissíveis), etc. Quanto ao aspecto psicológico, sabemos que a situação é muito delicada, principalmente nos  casos em que o abusador é pai ou padrasto. Além de serem maioria, são mais delicados e difíceis de serem descobertos, pelo fato de ser o abusador uma pessoa querida, o que torna mais confuso, na cabeça da criança  ou do adolescente, perceber que “aquilo”  que acontece é uma violência, que aquele comportamento foge à normalidade, é uma violência, contra a criança e o...

Terapia para Adolescente

Por em 26 mar, 2010 em Psicoterapia para adolecentes | 0 comentários

Na adolescência, quase tudo se renova, se transforma. Os corpos, gestos, pensamentos, emoções, desejos, direitos e responsabilidades. Fase de transição onde a roupagem da infância deve ser retirada e uma nova identidade encontrada. Fase de experimentações, dúvidas, ilusões, ousadias, conquistas externas e internas que marcam uma nova forma de ser e estar no mundo. É na adolescência que surge o momento de estabelecer novos laços fora do ambiente familiar. Amigos, amores, paixões, parcerias que compartilham visões de mundo e os diferenciam dos pais, reafirmam sua singularidade. Busca de uma nova identidade pessoal. Excessiva exposição ao risco, impulsividade, experimentações, rebeldia, comportamentos transgressores, comportamentos aparentemente patológicos e abuso de drogas são situações que fazem os pais pensar sobre como lidar com elas sem interferir no bom desenvolvimento do...

Terapia para terceira Idade

Por em 26 mar, 2010 em Gerontologia | 0 comentários

Nesta fase da vida, por vezes, é comum a solidão, o cansaço, a carência afetiva, a incapacidade física para certos trabalhos – que, por sua vez, acarretam uma maior dependência de terceiros – o luto por amigos ou parentes que se foram, o medo da morte… Enfim, são temas que assumem uma importância durante a terceira idade e que merecem o cuidado terapêutico. Infelizmente, é corrente a idéia de que “idoso não pode fazer terapia, já não dá mais tempo”. Mas aqui propôs uma pergunta: tempo de que? Por que não pode? Eu como psicóloga entendo que o idoso pode sim se beneficiar de um encontro terapêutico, pois poderá dividir com o psicólogo seus medos e alegrias, frustrações e conquistas, relembrando momentos felizes e tristes, ampliando suas possibilidades e recursos de lidar com este momento da vida. Desse modo, a orientação de um psicológo ajudará o idoso a superar seus medos e...

Como voltar ao mercado afetivo após o fim de uma longa relação

Por em 4 mar, 2010 em Psicoterapia de casais | 0 comentários

Após um longo relacionamento vem a separação. Alguns sentem um alívio, outros ficam mal por não ser esta a sua opção. Existem ainda os que entram em depressão e os que caem na noite. Seja qual for o caso, é hora de dar a volta por cima, sem a cobrança de começar um novo relacionamento, apenas dar um pouco de leveza à situação. Esse é um momento para aproveitar para trabalhar seu auto-conhecimento. “Assim a pessoa desenvolve mecanismos para enfrentar melhor as perdas. É um voto de compromisso com o bem-estar, que permite que a vida continue adiante”, disse ele, que oferece eventos com temas específicos, como autoestima, autoconfiança, linguagem corporal, linguagem verbal, arte da sedução, entre outros. “São oportunidades para fazer contatos e ganhar novas amizades ou quem sabe até um novo...

A co-dependência familiar, diante do usuário de drogas.

Por em 24 fev, 2010 em Drogas | 0 comentários

É incrível o quanto a vida pode nos ensinar. Quanto mais vivemos mais aprendemos. Muitos viverem a reclamar de suas situações presentes, não há nenhuma pessoa, cuja saúde mental esteja perfeita, que seja um candidato a morrer neste instante. Isso significa que, apesar das dores, a vida é extremamente maravilhosa, principalmente por ser ela a essência da nossa existência. É exatamente esta essência que não queremos nem podemos perder, pois é ela que nos dá o desejo de permanecermos aqui neste pequeno lapso de tempo que nos é dado. Gwendolyn Brooks escreveu: “viva intensamente cada instante. Logo ele se vai. E , seja dor ou riqueza, não voltara outra vez em idêntico disfarce” Uma coisa porém não podemos negar a vida é uma vida de dores, nascemos e vivemos sob o “signo” da dor, as vezes muito mais de alma física, e se tem algo com o qual não sabemos conviver é com a dor, sempre que a...

Efeitos e Consequências do Álcool

Por em 24 fev, 2010 em Drogas | 0 comentários

O principal agente do álcool é o etanol (álcool etílico). O consumo do álcool é antigo, bebidas como vinho e cerveja possuíam conteúdo alcoólico baixo, uma vez que passavam pelo processo de fermentação. Outros tipos de bebidas alcoólicas apareceram depois, com o processo de destilação. Apesar de o álcool possuir grande aceitação social e seu consumo ser estimulado pela sociedade, este é uma droga psicotrópica que atua no sistema nervoso central, podendo causar dependência e mudança no comportamento. Quando consumido em excesso, o álcool é visto como um problema de saúde, pois este excesso está inteiramente ligado a acidentes de trânsito, violência e alcoolismo (quadro de dependência). Os efeitos do álcool são percebidos em dois períodos, um que estimula e outro que deprime. No primeiro período pode ocorrer euforia e desinibição. Já no segundo momento ocorre descontrole, falta de...

Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC)

Por em 23 fev, 2010 em Transtornos | 0 comentários

O Transtorno obsessivo-compulsivo consiste na combinação de obsessões e compulsões. O que são obsessões?  São pensamentos recorrentes insistentes que se caracterizam por serem desagradáveis, repulsivos e contrários à índole do paciente. Por exemplo, uma pessoa honesta tem pensamentos recorrentes de roubo, trapaça e traição; uma pessoa religiosa tem pensamentos pecaminosos, obscenos e de sacrilégios. Os pensamentos obsessivos não são controláveis pelos próprios pacientes. Ter um pensamento recorrente apenas pode ser algo desagradável, como uma musiquinha aborrecida ou um problema não resolvido, mas ter obsessões é patológico porque causa significativa perda de tempo, queda no rendimento pessoal e sofrimento pessoal. Como o paciente perde o controle sobre os pensamentos, muitas vezes passa a praticar atos que, por serem repetitivos, tornam-se rituais. Muitas vezes têm a finalidade de...

Transtorno Afetivo Bipolar

Por em 23 fev, 2010 em Transtornos | 0 comentários

O transtorno afetivo bipolar era denominado até bem pouco tempo de psicose maníaco-depressiva. Esse nome foi abandonado principalmente porque este transtorno não apresenta necessariamente sintomas psicóticos, na verdade, na maioria das vezes esses sintomas não aparecem. Os transtornos afetivos não estão com sua classificação terminada. Provavelmente nos próximos anos surgirão novos subtipos de transtornos afetivos, melhorando a precisão dos diagnósticos. Por enquanto basta-nos compreender o que vem a ser o transtorno bipolar. Com a mudança de nome esse transtorno deixou de ser considerado uma perturbação psicótica para ser considerado uma perturbação afetiva. A alternância de estados depressivos com maníacos é a tônica dessa patologia. Muitas vezes o diagnóstico correto só será feito depois de muitos anos. Uma pessoa que tenha uma fase depressiva, receba o diagnóstico de depressão e...