O medo do novo

Por em 16 ago, 2010 em Transtornos | 0 comentários

Por que será que tudo o que é novo, não habitual, diferente daquilo com o que estamos acostumados, nos causa tanto medo? Sempre que somos levados a enfrentar uma mudança em nosso padrão de vida, nos vemos tomados por um temor de que algo de ruim venha suceder. Provavelmente isto acontece porque fomos sempre ensinados a procurar por segurança, por situações em que nos sintamos confortáveis e acomodados. Embora a existência seja feita de mudanças – e para constatarmos isto basta observar o fluxo ininterrupto de mutações que a natureza nos revela cotidianamente -, nós, seres humanos, insistimos em construir uma vida estável, onde nada nos surpreenda, ou nos faça sentir a ansiedade diante do desconhecido. É natural e compreensível que uma situação ainda não experimentada nos mobilize internamente, mas isto não deveria ser necessariamente ruim e sim uma oportunidade de testarmos nossa...

Quando a Angústia tomar conta de mim. O que fazer?

Por em 2 ago, 2010 em Depressão | 0 comentários

De repente, vem aquele aperto no peito! Pode ser em qualquer momento, hora ou lugar. Como se uma grande mão apertasse seu peito… e vem uma sensação bem esquisita de opressão. Você quer se livrar dela, mas não consegue. O coração bate mais rápido ou então você sente uma apreensão. Medo do futuro? Quase como se descesse de montanha russa…. aquele friozinho na barriga terrível. Em alguns momentos, você está bem e a apreensão surge sem pedir licença. Em outros, está associada a alguma preocupação ou sensação de insegurança. Se você vive um momento confuso ou difícil, a angústia pode se instalar na sua mente e no seu coração. A angústia pode ser um sinalizador para a depressão. Pessoas deprimidas sentem angústia e a ansiedade pode surgir de repente. A ansiedade está associada à respiração também. A pessoa ansiosa respira muito rápido ou sente uma sensação de sufocamento,...

A dificuldade da palavra “Não”

Por em 6 abr, 2010 em Psicologia | 0 comentários

Algumas pessoas têm dificuldade em dizer não. Por receio de parecerem egoístas ou de serem rejeitadas, elas seguem deixando-se sobrecarregar por se sentirem incapazes de dar um bom motivo para sua recusa.  Aprender a dizer não, entretanto, é essencial para o nosso bem estar. Muitas vezes, ao dizer não para alguém, estamos dizendo sim para nós mesmos e, dessa forma, evitando um estresse emocional em nossas vidas. Ser uma pessoa prestativa e disponível para fazer um favor a alguém é algo inteiramente diferente de se deixar explorar. E há pessoas que sabem ser excessivamente insistentes. O sim e o não são conceitos interligados e permanentes em nossa vida. Um depende do outro, um ajuda ou prejudica o outro e, por sua vez, ambos estão relacionados com os temas negociação e administração do tempo. Uma das principais razões da dificuldade de dizer o não , talvez até a mais importante é a...

O medo de dirigir:

Por em 6 abr, 2010 em Psicologia | 0 comentários

Hoje mulheres e homens chegam em meu consultório com a demanda “tenho medo de dirigir”, esse medo é experienciado como uma sensação subjetiva de desconforto quando se está ao volante do veículo, que pode ser acompanhada de aceleração dos batimentos cardíacos, transpiração excessiva, tremores nos braços e pernas e pensamentos ruins como a possibilidade de bater o carro, causar acidentes ou ferir alguém. Após algumas experiências de dirigir não tão agradaveis pessoa tende a evitar assumir a direção do carro, o que restringe sua independencia de ir ao trabalho, fazer compras e realizar diversas atividades rotineiras. Esse medo de dirigir atinge um número considerável de pessoas, muitas das quais não procuram tratamento e acabam por levar uma vida de dependência e privações. Certamente, você conhece alguém que possui habilitação, tem um automóvel, mas não dirige. Essa pessoa...

Conseqüências do Abuso Sexual

Por em 6 abr, 2010 em Psicologia | 0 comentários

As conseqüências do abuso sexual são delicadas, e ainda mais delicadas, quando o abuso é praticado por um membro da família, por quem deveria proteger a criança ou o adolescente.  As vítimas crianças ou adolescentes devem ser levadas a um psicólogo assim que seus responsáveis tomam conhecimento dos fatos ocorridos. Há conseqüências do ponto de vista: psicológico (traumas), físico (doenças sexualmente transmissíveis), etc. Quanto ao aspecto psicológico, sabemos que a situação é muito delicada, principalmente nos  casos em que o abusador é pai ou padrasto. Além de serem maioria, são mais delicados e difíceis de serem descobertos, pelo fato de ser o abusador uma pessoa querida, o que torna mais confuso, na cabeça da criança  ou do adolescente, perceber que “aquilo”  que acontece é uma violência, que aquele comportamento foge à normalidade, é uma violência, contra a criança e o...