A co-dependência familiar, diante do usuário de drogas.

Por em 24 fev, 2010 em Sem categoria | 0 comentários

É incrível o quanto a vida pode nos ensinar. Quanto mais vivemos mais aprendemos. Muitos viverem a reclamar de suas situações presentes, não há nenhuma pessoa, cuja saúde mental esteja perfeita, que seja um candidato a morrer neste instante. Isso significa que, apesar das dores, a vida é extremamente maravilhosa, principalmente por ser ela a essência da nossa existência. É exatamente esta essência que não queremos nem podemos perder, pois é ela que nos dá o desejo de permanecermos aqui neste pequeno lapso de tempo que nos é dado. Gwendolyn Brooks escreveu: “viva intensamente cada instante. Logo ele se vai. E , seja dor ou riqueza, não voltara outra vez em idêntico disfarce” Uma coisa porém não podemos negar a vida é uma vida de dores, nascemos e vivemos sob o “signo” da dor, as vezes muito mais de alma física, e se tem algo com o qual não sabemos conviver é com a dor, sempre que a...

Efeitos e Consequências do Álcool

Por em 24 fev, 2010 em Sem categoria | 0 comentários

O principal agente do álcool é o etanol (álcool etílico). O consumo do álcool é antigo, bebidas como vinho e cerveja possuíam conteúdo alcoólico baixo, uma vez que passavam pelo processo de fermentação. Outros tipos de bebidas alcoólicas apareceram depois, com o processo de destilação. Apesar de o álcool possuir grande aceitação social e seu consumo ser estimulado pela sociedade, este é uma droga psicotrópica que atua no sistema nervoso central, podendo causar dependência e mudança no comportamento. Quando consumido em excesso, o álcool é visto como um problema de saúde, pois este excesso está inteiramente ligado a acidentes de trânsito, violência e alcoolismo (quadro de dependência). Os efeitos do álcool são percebidos em dois períodos, um que estimula e outro que deprime. No primeiro período pode ocorrer euforia e desinibição. Já no segundo momento ocorre descontrole, falta de...

Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC)

Por em 23 fev, 2010 em Sem categoria | 0 comentários

O Transtorno obsessivo-compulsivo consiste na combinação de obsessões e compulsões. O que são obsessões?  São pensamentos recorrentes insistentes que se caracterizam por serem desagradáveis, repulsivos e contrários à índole do paciente. Por exemplo, uma pessoa honesta tem pensamentos recorrentes de roubo, trapaça e traição; uma pessoa religiosa tem pensamentos pecaminosos, obscenos e de sacrilégios. Os pensamentos obsessivos não são controláveis pelos próprios pacientes. Ter um pensamento recorrente apenas pode ser algo desagradável, como uma musiquinha aborrecida ou um problema não resolvido, mas ter obsessões é patológico porque causa significativa perda de tempo, queda no rendimento pessoal e sofrimento pessoal. Como o paciente perde o controle sobre os pensamentos, muitas vezes passa a praticar atos que, por serem repetitivos, tornam-se rituais. Muitas vezes têm a finalidade de...

Transtorno Afetivo Bipolar

Por em 23 fev, 2010 em Sem categoria | 0 comentários

O transtorno afetivo bipolar era denominado até bem pouco tempo de psicose maníaco-depressiva. Esse nome foi abandonado principalmente porque este transtorno não apresenta necessariamente sintomas psicóticos, na verdade, na maioria das vezes esses sintomas não aparecem. Os transtornos afetivos não estão com sua classificação terminada. Provavelmente nos próximos anos surgirão novos subtipos de transtornos afetivos, melhorando a precisão dos diagnósticos. Por enquanto basta-nos compreender o que vem a ser o transtorno bipolar. Com a mudança de nome esse transtorno deixou de ser considerado uma perturbação psicótica para ser considerado uma perturbação afetiva. A alternância de estados depressivos com maníacos é a tônica dessa patologia. Muitas vezes o diagnóstico correto só será feito depois de muitos anos. Uma pessoa que tenha uma fase depressiva, receba o diagnóstico de depressão e...

O que é Fobia?

Por em 23 fev, 2010 em Sem categoria | 0 comentários

A fobia não é uma doença, mas um sintoma que pode aparecer em várias doenças mentais. Um quadro psicótico, ou depressivo, ou neurótico, podem apresentar, como sintoma, uma fobia. Resumidamente, a fobia é um medo de alguma coisa deslocado para um medo de outra coisa. É uma angústia relativa a uma situação difícil de se lidar. A mente desloca a angústia dessa situação para uma outra que, aparentemente, não tem nada a ver. Por exemplo, tem gente que tem pânico de entrar no elevador. Por quê? Elevador é perigoso? Pode até ser, mas não tem gente morrendo o tempo todo por cair de elevador. O medo de elevador, portanto, não é razoável, não é lógico, não é coerente. Por quê essa pessoa tem esse medo? Não tem nada a ver com o elevador propriamente dito. Têm a ver com o espaço fechado, trancado, e com algum outro medo da história psicológica dessa pessoa, do seu desenvolvimento psíquico,...